1) - As Divindades segundo Ifá: Como tudo começou?

As Divindades segundo Ifá: Como tudo começou.

De onde viemos?

Essa é sem dúvida a pergunta mais difícil de ser respondida, qualquer resposta ou reflexão sobre o tema sempre deixará espaço para dúvidas. Mesmo com todos os avanços e estudos científicos nenhuma teoria é capaz ainda de explicar completamente a origem de tudo que existe no universo.

Atualmente vivemos um momento de muito entusiasmo no meio cientifico, com diversas descobertas de novos planetas, dentre eles alguns com capacidade para abrigar vida na forma que conhecemos. Isso nos da condição de refletir sobre nossa existência, sobre o que pode de fato existir no universo, mas não permite esclarecer a origem da matéria.

Partindo do pressuposto que não exista uma fonte para dar origem ao Universo e a vida, sendo então tudo obra do “mero acaso”, como poderíamos explicar a perfeição do funcionamento da Natureza. Basta observar de forma simples o mundo, como tudo foi “planejado” para funcionar em perfeita harmonia. O planeta apesar de não possuir consciência, consegue se auto regular através de um sistema complexo, mas delicado, de processos biológicos e climáticos que permitem e mantem a existência de incontáveis formas de vida. O homem por sua vez, possui um corpo perfeitamente desenvolvido, com órgãos organizados nos locais certos e com funções especificas, um cérebro extremamente complexo e ainda pouco entendido pela ciência. Podemos realmente acreditar então que tudo isso ocorreu simplesmente porque ocorreram processos em cascata que desencadearam reações químicas que então deram origem a vida. É difícil de sustentar essa ideia.

Vamos deixar de lado o aspecto religioso do tema e refletir sobre o aspecto “físico”, precisamos encontrar uma explicação para a origem da matéria, de algum lugar ela precisa ter vindo. Não podemos concordar que simplesmente apareceu uma bola compactada que explodiu e desse evento surgiu o universo conhecido (teoria do “big-bang”). E mesmo que fisicamente tenha ocorrido dessa forma, qual a origem dessa matéria inicial? Ficamos sem saída neste ponto.

Dentro do contexto religioso, existem várias teorias sobre a origem do Universo. Muito se fala sobre isso, baseado inclusive nas religiões antigas. Muitos pensadores e filósofos no decorrer da história da humanidade tentaram explicar como tudo começou e esse esforço para entender o universo é onde encontramos as bases mais próximas para fundamentar uma compressão mais clara da realidade. Contudo é importante ponderar que a percepção humana sobre certos conceitos ainda é muito limitada. Por exemplo, nos entendemos que o tempo é linear, ou seja, dentro de um período determinado temos o começo, meio e fim. Ifá contesta isso dizendo que o tempo é circular, ou seja, em Ifá o tempo é representado por uma esfera, dando a entender que ao chegarmos ao fim daquele período voltamos ao seu inicio. Ifá também ensina que o futuro pode influenciar o passado, baseado no fundamento de que o tempo é circular. Esse conceito é de difícil compressão para nós. Ifá também afirma que a eternidade caminha para o futuro, mas também para o passado, ou seja, a “fonte” do Universo sempre existiu, não pode haver um “inicio”, pois isso nos levaria a perguntar: “e antes o que existia?”. Ficamos presos nesta pergunta/resposta sem fim.

Definir exatamente como o Universo foi criado é no mínimo presunção. Ciência e religião podem no máximo supor como ocorreu, responder essa pergunta levará tempo. Mesmo dentro da cultura Yorùbá não há exatamente um consenso, existem várias explicações para o tema, algumas delas conflitantes. Isso é normal, sendo que em se tratando de conceitos religiosos, nada é absoluto.

O conhecimento do Ifá vem da observação do comportamento da natureza, por isso é preciso entender que antes de tudo, Ifá trata as forças da natureza como uma ciência. Não há nada de “místico” (no sentido de fantasia) em Ifá. Portanto os conceitos aqui explicados provem diretamente dessa abordagem.

A lenda da criação do mundo começa sua explicação do ponto onde as Divindades primordiais já existiam. Contudo tais Divindades foram criadas a partir de uma fonte única.

Ifá ensina que: “no inicio não existia nada, apenas o ar frio e imóvel do universo”. Podemos observar na natureza que a matéria inorgânica surgiu primeiro que a matéria orgânica, isso porque as células (vida) são formadas por átomos (energia). Observando esse aspecto e refletindo sobre o ensinamento de Ifá acima, concluímos que o Criador emergiu de uma fonte que não possui consciência, da forma que entendemos.

No contexto de Ifá, a Divindade máxima é conhecida pelo nome de Olódùmarè. Ele é uma forma consciente de vida, ou seja, ele possui individualidade. Porém Ifá nos ensina que por traz de Olódùmarè existe uma forma de energia inconsciente: A fonte, que mantem e foi à base para a formação do Universo visível e invisível. Essa fonte é por vezes citada como o “ar frio e imóvel do universo”, numa referência a uma massa de energia que esta em todo lugar. Em algum momento Olódùmarè emerge dessa energia e então começa a formação do Universo.

Segundo IfáOlódùmarè é uma forma de vida que pode ser percebida pela mente humana, contudo, ele está distante do contato com a humanidade. Já a fonte, é totalmente imperceptível, não havendo nenhum tipo de contato com o homem. Não há nenhum tipo de culto que possa estabelecer contato com tal energia e suas características nunca foram relatadas pelas Divindades a nós. Isso é conhecido na filosofia de Ifá como “o mistério por traz de Olódùmarè”.

Em Ifá aprendemos que os Odù são entre outras coisas, os eventos ocorridos durante o processo de criação do Universo e eles guardam as explicações ou mistérios de como tudo ocorreu, além disso, eles mantem a Criação, funcionando como “baterias”, alimentando a “maquina” que sustenta o Universo. Atualmente há uma grande discussão sobre o tema Odù, se eles criaram as Divindades ou se as Divindades criaram os Odù. “Quem nasceu primeiro o ovo ou a galinha?”, responder essa pergunta sempre nos leva a outra: Então se o ovo nasceu primeiro, quem nasceu primeiro que o ovo? Sinceramente, não importa muito se Odù é mais velho ou mais novo que as Divindades, o que importa é que eles existem e são formas de energia acessíveis. Provar ou fundamentar esse conceito, mesmo baseados nas historias sagradas é arriscado, pois tais fatos ocorreram numa fase da Criação onde não havia presença humana no universo.

Odù Òfún Meji, é considerado como o Odù que representa a Divindade, eu entendo que ele seja o Odù mais ligado ao Òrun, ou seja, a dimensão espiritual.

Algumas citações em Ifá dizem que o Odù Ogbè Meji, emergiu de Òfún MejiOgbè representa o inicio da criação do Universo físico. Um símbolo associado ao Odù Òfún Meji é o “òfuurufú” (ar ou firmamento), que representaria a fonte que deu origem a tudo, por isso Olódùmarè estaria ligado a esse Odù.

No sistema Yorùbá não há corpo sacerdotal ligado a Olódùmarè, por isso entendemos que não há culto no Ayé (plano físico) especifico para Ele, como ocorre com as outras Divindades, o que não quer dizer que ele seja inacessível. Ao contrario, Olódùmarè é responsável por criar a “alma imortal”, essa atribuição é sem dúvida de extremo interesse ao homem, pois sem isso, nossa existência estaria atrelada apenas a vida física.

Portanto a origem de tudo está relacionada com “o mistério por traz de Olódùmarè”, a fonte sempre existiu e sempre existirá.

Contudo, Ifá ensina que a criação é cíclica, ou seja, o universo como conhecemos hoje irá um dia entrar em colapso dando origem a um novo inicio. Esse conceito de Ifá é amparado pela ciência, já que hoje sabemos que as estrelas possuem “prazo de validade”, sendo assim, chegara o dia que toda energia do universo terá sido consumida.

Tão logo Olódùmarè emergiu, ou seja, assim que Ele se torna consciente, algumas Divindades importantes são criadas. Ifá diz que elas foram forjadas do mesmo material ao qual Olódùmarè nasceu, assim mesmo elas tendo consciência própria e individualidade (podem agir sem a interferência Dele) sua essência vem de uma fonte comum. Por isso é fácil encontrar citações falando que as Divindades são “epitipos” Dele, em outras palavras, que são Ele mesmo em formas diferentes. Esse conceito não é valido, pois se fosse verdade, as Divindades seriam simplesmente metamorfoses de uma mesma consciência.

Ifá ensina que cada Divindade possui total independência, podendo agir e atuar como quiser, salvo por limitações (leis e mecanismos reguladores) que controlam alguns aspectos dessa questão (assunto será tratado em próximas postagens).

Olódùmarè então criou uma equipe de Divindades com funções especificas visando o interesse de controlar e manter a Criação em funcionamento, que serão explicadas nas próximas postagens.

Àse. Bàbáláwo Ifádámiláre Agbole Obemo

Nota:

Conceitos baseados em ensinamentos transmitidos oralmente pela Família Agbole Obemo, e aperfeiçoados com estudos e práticas recentes.