Energia não possui consciência

É muito comum no âmbito religioso, ou místico, desde os tempos mais remotos da história humana, encontrar relatos e ensinamentos a respeito do uso da magia. Quando falamos em magia logo nos vem à cabeça cenas mirabolantes como reportados em filmes dos mais diversos.

Contudo, retirando a parte imaginaria do tema, o fato é que manipulação de energia é real. Ou seja, magia existe e está acessível a muitas culturas ou cresças. É verdade que alguns segmentos religiosos, por questões obvias, transformaram o termo magia em algo satânico, deram a essa pratica outro nome, mas gostem ou não, o mecanismo e os resultados são os mesmos.

Dentro deste contexto, encontramos todo tipo de técnica que causam a manipulação ou alteração de resultados em nossas vidas, tanto para o lado positivo, quanto para o negativo. Então é possível usar a magia, que passaremos a chamar de energia, para atingir objetivos práticos, por exemplo: A conquista de um emprego melhor, a solução para um problema jurídico, a cura para uma doença, entre tantas necessidades inerentes a vida humana.

Neste tema surge uma questão importante: Até que ponto é possível alterar o sistema auto-regulador do universo, que mantem nossas vidas sobre constante ajuste, ou seja, sabemos que os resultados que aparecem para nós, é fruto de ações continuas. Se a energia pode resolver um problema que é resultado da “colheita”, isso não estaria alterando o destino da pessoa? De certa forma sim, neste aspecto vale lembrar o ensinamento de Ifá: “tudo que é forçado não é bom para a vida”. Ou seja, se um problema foi resolvido de forma arbitraria, fatalmente irá desencadear outros problemas no futuro, para compensar o que foi mudado. Sendo assim, o ideal é transformar as ações e não o resultado delas.

Por outro lado, usar a energia para realizar ações negativas é mais arriscado ainda. Apesar de muitos defenderem que o retorno do “feitiço maléfico”, pode ser aplacado, manipulando energias inversas, isso contradiz tudo que Ifá ensina sobre justiça Divina, em outras palavras, nada fica sem correção.

Para exemplificar como a energia atua, vamos contar uma história sagrada relacionada com o Òrìsà Òsóò. Essa Divindade extremante importante no contexto de Ifá, é associada a pratica da caça, ou seja, ele prove o necessário para a vida humana. Em postagem futura iremos detalhar as habilidades de Òsóòsì. Conta a lenda que Òsóò possuía um papagaio de estimação, Ele amava muito o pássaro ao ponto de não permitir que ninguém se aproxima-se dele. O animal de estimação era dotado de poderes mágicos, que Òsóò utilizava na prática da caça. Òsóò é conhecido na tradição de Ifá como Osó-igbo, ou seja, o bruxo da floresta, justamente porque ele usava magia para abater suas presas. A flecha por Ele lançada jamais errava o alvo. Por isso, Ele era responsável por manter sua aldeia com o alimento necessário. Em uma época de seca, a caça ficou escassa, e todos estavam passando fome, Òsóò conhecia onde seria possível encontra alimento, contudo era necessário viajar a um local distante. Òsóòsì temeroso que algo ocorresse com seu papagaio, pediu para sua avó cuidar dele. Então Òsóòsì ficou ausente por vários dias. Na sua volta, vitorioso, Ele trouxe para a aldeia toda a caça necessária para saciar a fome de todos. Imediatamente Òsóòsì foi à busca de seu amado amigo e para sua surpresa, encontrou apenas algumas penas, desesperado Ele vai ao encontro de sua avó que disse não saber quem havia assassinado seu pássaro. Òsóòsì em um acesso de fúria vai para o centro da vila e fazendo uso de sua magia ordena que a flecha procure e mate a pessoa culpada pela morte do pássaro. Então Ele lança a flecha para o alto e observa que ela cai sobre a casa de sua avó, ferindo-a mortalmente.

Essa lenda nos presenteia com alguns ensinamentos importantes de Ifá:

  • Devemos manter conosco o que é importante e fundamental em nossas vidas, delegar a outras pessoas o cuidado para esses itens é arriscado. Precisamos entender que situações de risco ou sofrimento, fazem com que pessoas supostamente confiáveis, acabem por trair essa confiança. A avó de Òsóòsì acabou por comer o pássaro porque a fome era insuportável.
  • Falar a verdade, por pior que seja, sempre é a melhor saída, se a avó de Òsóòsì tivesse contado o ocorrido, provavelmente Ele não teria agido daquela forma.
  • Precisamos controlar nossos sentimentos e não agir precipitadamente, por impulso ou raiva. Òsóòsì por confiar demais na sua avó não se deu conta de que poderia ser ela a culpada, então Ele em um ato impensado acaba por piorar ainda mais a situação.

Por isso é importante entender que energia não possui consciência, ela funciona cegamente e não pondera sobre os resultados e consequências. Ao fazer uso de qualquer tipo magia temos que ter claramente essa visão. Lançar um feitiço contra uma pessoa pode atingir inocentes e claro que as consequências disso serão desastrosas.

“Lançar um feitiço” precisa ser interpretado de maneira ampla, não é necessário fazer um “trabalho” para prejudicar alguém, o pensamento também é uma forma de magia.

Já é tempo da comunidade que segue as tradições de origem Africana entender que somos “Magos da magia branca”, ou seja, nós trabalhamos contra a negatividade e por isso não podemos ficar com os pés em “duas canoas”, ou somos os “mocinhos”, ou somos os “bandidos”.

Àse. Bàbáláwo Ifádámiláre Agbole Obemo.