A importância da família espiritual para o culto de Ifá.

A iniciação em sociedades secretas e cultos religiosos baseados no sistema Yorùbá está fundamentada na organização das famílias espirituais.

Quando um iniciante decide qual família seguir e qual culto se filiar, ele passa por processos ritualísticos que ligam seu Orí individual com uma Egbe (sociedade ou grupo) espiritual. Essa ligação cria um processo de proteção em grupo, onde os mais velhos tem o papel de proteger e zelar pelo crescimento espiritual e material do seu seguidor, ou “filho”, como comumente são chamados os discípulos espirituais.

Ifá ensina que o àse (força espiritual que permite a realização, que dá movimento e suporte para os rituais), flui do mundo espiritual para o mundo físico através do Orí. Esse processo é conhecido como declínio do àse.

Tal energia precisa de certa forma de concessão ou permissão do Egbe para que ele seja efetivo. Isso significa que se o Orí do sacerdote, ou o “mais velho” do Egbe não sancionar tal mecanismo esse “declínio” da energia espiritual não ocorre totalmente. Em outras palavras, se não existir um relacionamento concreto entre o afilhado e o sacerdote os processos rituais que apoiam o destino humano não irão fluir da melhor maneira possível.

Este conceito é bastante simples, porem dificilmente seguido atualmente. Infelizmente na sociedade moderna as disputas por quem é melhor, seguem para dentro das famílias espirituais, criando pequenas disputas entre os integrantes que criam desequilíbrios importantes no ciclo de energias. Muitos iniciados não conseguem aceitar a hierarquia de tempo (em Ifá tempo de iniciação é cargo), não conseguem entender que conhecimento e experiência precisam viver em harmonia. Não basta ler, é preciso vivenciar. Dentro disso os indivíduos procuram passar por cima dos seus mentores, não tendo a paciência necessária para o caminhar religioso. Gostaria de esclarecer que os iniciados precisam entender que o sacerdote (ou seu mais velho) é a voz de Ifá dentro do Egbe. Ele recebe orientação através de contato com È e através do oráculo sobre o que dever ser ensinado e aplicado a cada pessoa. Tudo tem o tempo certo. Enquanto esse mecanismo “familiar” de respeito e entendimento não for aplicado de fato, as Egbe não vão crescer de forma concreta. Não adianta ser dedicado na Egbe, demonstrando aquilo que seu sacerdote gostaria de você e por fora tentar obter informações com outros sacerdotes (esse ato é muito perigoso, pois os conceitos e fundamentos religiosos são diferentes entre as famílias), criticar seu mais velhos, mesmo que em pensamento. Lembre-se: Para o seu sacerdote tal atitude pode até passar despercebido, mas não passará para Ifá. Humildade é a palavra de ordem para quem deseja cumprir sua missão na Terra.

Àṣẹ. Bàbáláwo Ifádámiláre Agbole Obemo.